Funcionamento

Não somos um bar

Não somos uma sauna

Não somos cinema

Não Somos Balada.

Somos um Club de sexo e pegação masculino que para participar terá que seguir algumas regras básicas.

Todos os nossos vauches tem validade mensal. encerando sua validade no 30 dia do mês.

Todos os clientes que permanecerem na casa por mais de 4 horas recebem um VAUCHERS para ser utilizado em outro dia do mês. NÃO UTILIZÁVEL EM DIAS DE FESTA E EVENTOS TEMÁTICOS E FINS DE SEMANA.
Nossa Principal Promoção: MÉNAGE À TROIS

2 x 1

2 Caras Pagantes pode trazer um convidado Grátis. Ambos cadastrado em nosso site Registro. Negros Morenos e Mulatos tem 50% desconto aos Domingos. Todos os clientes pagantes que permanecerem na casa por mais de 4 horas recebem um VAUCHER  para ser utilizado em outro dia do mês.

Fetiches

Voyeurismo (vua-ierismo) ou mixoscopia (cs) é uma prática que consiste em um indivíduo obter prazer sexual através da observação de pessoas praticando sexo ou nuas.[1][2] Quando a pessoa observada não está ciente de que está sendo observada, tal comportamento é, em muitos países, considerado um crime, configurando uma invasão de privacidade. Mais modernamente, contudo, o termo tem sido aplicado de forma mais ampla, abrangendo qualquer pessoa que gosta de ver a intimidade de outras pessoas, mesmo sem qualquer conotação sexual, como por exemplo em reality shows.[3] A prática do voyeurismo manifesta-se de várias formas, embora uma das características-chave seja a de que o indivíduo não interage com o objeto (por vezes, as pessoas observadas não estão cientes de que estão sendo observadas); em vez disso, observa-o tipicamente a uma relativa distância.
O fetichista responde ao pé de uma maneira similar às nádegas ou seios. Alguns podólatras, sentem prazer em ter seus genitais manipulados pelos pés do parceiro até o ponto de atingir o orgasmo e a ejaculação (footjob, em inglês).[2] Este é, provavelmente, o exemplo mais freqüente de excitação com o uso dos pés capaz de levar à satisfação completa (talvez por se tratar, também, de fato, de uma forma de masturbação). Outras fórmulas em que o uso dos pés por si só acabam por levar ao orgasmo e à ejaculação também existem, entretanto, variando de indivíduo para indivíduo. São atos comuns que levam o podólatra a ter excitação e prazer sexual exclusivamente com o ato de ver, tocar com as mãos, lamber, cheirar, beijar ou massagear os pés de outra pessoa, entre muitos outros. Pode haver ainda, embora raramente, casos de o podólatra, sentir atração, prazer e orgasmo, com essas ações, com os próprios pés. O culto aos pés pode ser um elemento erótico, fazendo parte das preliminares de uma relação sexual, por exemplo. Como outras parafilias, o fetiche de pés varia enormemente e pode ser altamente especializado. Assim, um fetichista pode ser estimulado por elementos em que outro considera repulsivos. Alguns podólatras preferem somente as solas ou pés com arcos pronunciados, outros de dedos longos, unhas longas, alguns preferem pés descalços, outros pés trajados em certos tipos de calçados ou meias, alguns preferem pés muito bem cuidados, outros sujos, de plantas incrustadas de terra, uns preferem pés lisos, outros preferem pés bem ásperos, outros podem até desejar o cheiro do que chamam de "chulé", caso em que isso dá um certo prazer ao podólatra. Um fetichista de pés pode ser homem ou mulher, embora estime-se que o contingente masculino passe de 70% (falando de fetiches de maneira geral, a escritora estadunidense Valerie Steele afirma no livro "Fetiche — Moda, Sexo e Poder" que os homens têm fetiches com freqüência duas vezes e meia maior do que elas[3]). Pesquisadores da Universidade de Bolonha descobriram que entre as preferências sexuais por partes do corpo, pés é a mais popular.[4]. O resultado parece corroborar o estudo da terapeuta brasileira Deise Gê, feito com 1500 homens, entre 18 e 60 anos, que aponta que pés e sapatos são os principais elementos fetichistas dos brasileiros.[5] Outras práticas sexuais como o sadomasoquismo freqüentemente acompanham a atração por pés, como no ato de podolatria em que o homem pode ser pisado pela mulher (trample, em inglês). Um traço que permite distinguir o podólatra, no entanto, na comparação com o sadomasoquista submisso, é o fato de que o pé, para aquele, reveste-se de um valor estético, que por si só o excita.
Masturbação é o acto da estimulação dos órgãos genitais, manualmente ou por meio de objectos, com o objectivo de obter prazer sexual, seguido ou não de orgasmo, sendo uma prática sexual não-penetrativa. Podendo ser autoaplicada, quando o que promove a estimulação é o mesmo que a recebe ou pode ser aplicada a uma pessoa diferente, quando o que promove a estimulação o promove em outro. O termo foi usado pela primeira vez pelo médico inglês e fundador da psicologia sexual, Dr. Havelock Ellis, em 1898. A masturbação é observada em muitas espécies de mamíferos, especialmente nos grandes primatas. Na espécie humana, a masturbação é comum em ambos os sexos e em uma larga faixa etária, iniciando-se no início da puberdade, ou, segundo alguns, ainda durante a infância - mas sem a carga erótica nesta fase. O acto da masturbação é socialmente condenável em algumas culturas, embora não seja uma doença e nem cause doenças.
O sexo grupal ou "sexo com múltiplos indivíduos" (SMI) é um comportamento em que mais de duas pessoas praticam atos sexuais juntas, podendo envolver a cópula vaginal entre um homem e uma mulher e/ou atos libidinosos diversos. Assim descrito, o sexo grupo envolve várias subcategorias como o ménage, o swing[1] e a orgia (também chamada no Brasil de suruba).[2] Apesar de ser uma prática contrária ao padrão sexual dominante em boa parte do mundo, especialistas afirmam que o desejo de praticá-lo é mais comum que se imagina.[3]
Sadomasoquismo refere-se a relações entre tendências diferentes entre pessoas buscando prazer sexual na dor. O termo sadomasoquismo seria a relação entre tendências opostas, o sadismo e masoquismo.[1] O sadismo é a tendência em uma pessoa que busca sentir prazer em impôr o sofrimento físico e moral a outra pessoa. O masoquismo é a tendência oposta ao sadismo, é a tendência em uma pessoa que busca sentir prazer em receber o sofrimento físico e moral de outra pessoa. A relação destas duas tendências não representa que a mesma pessoa possui as duas tendências e sim um contato entre pessoas com tendências opostas (contato entre sadista e masoquista). De acordo com a Classificação Internacional de Doenças F65.5 o sadomasoquismo é considerado doença se apenas a atividade é a fonte de estimulação mais importante do casal ou é necessária para a satisfação sexual.[2] O sadomasoquismo pode causar agressões, traumas e morte.
DESS CODE Cueca ou Sunga, JOCKSTRIP OU SUPORTE ATLÉTICO. Nudez Total Ou Parcial. Couro, borracha, Vinil, Lona, Coturnos, Botas, Salto Alto. Farda,Uniforme Mascaras Gorros. Capacetes Proibido .
Bondage é um tipo específico de fetiche, geralmente relacionado com sadomasoquismo, onde a principal fonte de prazer consiste em amarrar e imobilizar seu parceiro ou pessoa envolvida. Pode ou não envolver a prática de sexo com penetração.